Comunidade Educadora Vale do Cuiabá

mãe de aluna do 4º ano de escolaridade

Eu já até pensei em tirar o Yuri daqui por causa da distância, mas a escola oferece muitas atividades diversificadas como dança, informática, etc. Ano que vem será o último ano dele aqui, mas eu gos... veja mais

contato

EDUCAÇÃO AMBIENTAL

No livro A Teia da Vida, o físico Fritjof Capra tenta sintetizar uma nova linguagem que surge ao longo do tempo para a compreensão dos complexos sistemas da base da vida. Integrando essas novas descobertas, ele demonstra como tudo está interligado, formando uma grande rede, ou teia. Essa ideia remete a uma preocupação crescente hoje diante da percepção de que o ser humano não sobrevive sem o cuidado e a preservação do meio em que vive. Tal certeza levou a equipe educadora do Centro Educacional Santa Terezinha, no Vale do Cuiabá, a tornar a Educação Ambiental uma de suas principais vertentes. Além da Coleta Seletiva - com a proposta de reduzir, reutilizar e reciclar, o foco na Educação Ambiental se materializou em um espaço especial: o Canto de São Francisco, definido como uma sala de aula ao ar livre. Esse "cantinho" não só comprova o conceito de Capra, como permite o aprendizado através do contato direto com a natureza.

O Instituto Superior de Educação Pró-Saber, do Rio de Janeiro, a Prefeitura de Petrópolis – com a Escola Padre Quinha - e o Sesi – com cursos profissionalizantes, formam a tríade que sustenta o Santa Terezinha. Maria Cecília Almeida e Silva, diretora do Pró-Saber, explica como a educação ambiental passou a ganhar importância. “Nessa parte, temos a supervisão do professor Danilo Neto, que já havia sugerido a construção de várias estações, que seriam componentes pedagógicos para ajudar as crianças a compreender o que é a educação ambiental. Então o João Marcos, coordenador da área ambiental, deu a ideia de criar um lugar que pudesse ser acessado por toda a comunidade. O arquiteto Sérgio Braga fez o desenho e o professor Danilo ficou surpreso quando tudo ficou pronto. É bem mais do que ele esperava”.

Para além da educação ambiental, as crianças também trabalham, segundo explicou a professora Ana Lúcia Leite, com a ecologia pessoal e social, e o Canto de São Francisco é perfeito para isso. “Essas ecologias falam da relação de você com você mesmo e de você com outros seres. Então a gente tem usado o espaço também nesta perspectiva, como, por exemplo, através da poesia de Manoel de Barros, grande poeta brasileiro já estudado com os alunos do 5º ano. Eles vieram ao Canto de São Francisco procurar uma estrutura física que os inspirasse a escrever, tendo como base a obra desse poeta. Não é um trabalho simples, mas apostamos na essência da poesia, que é a beleza, na relação entre o que está dentro e fora de nós”.